quinta-feira, 31 de agosto de 2017

nº. 2 - m/ apreciação às contas da Comissão de Festas 2016/2017

      Caros amigos e seguidores, peço desculpa pela minha falta de assiduidade em comunicar-vos, mas, no presente, tenho outros encargos assumidos, que me dão algum prazer e ocupam-me os tempos livres.
       Sobre as contas da festa deste ano que me foram presentes, eu disse e demonstrei em comunicado que afixei no placar da Capela o seguinte:
      A Comissão de Festas do nosso lugar, (Quinta do Picado), representada pelas senhoras Lina e Clarisse, irmãs do senhor Bertino Alves, (Juiz), acompanhadas por outros dedicados e fiéis colaboradores, no dia 18 do corrente mês, cumprindo fielmente as normas estabelecidas, apresentaram ao reverendo Paulo Cardoso da Cruz, (nosso Prior) as contas das festas que promoveram e realizaram, (em 8 de Dezembro de 2016, (festa em honra de Nossa Senhora da Conceição e em 30 de Junho de 2017, festa em honra de Nossa Senhora do Livramento).
       As contas apresentadas, embora resumidas, são esclarecedoras. Os intervenientes declararam que tudo lhes decorreu de forma pacífica, de bom grado e em harmonia, e que todos os fornecimentos de bens e serviços estão quites. Prometeram também que vão reunir os documentos justificativos e que os vão guardar e manter à mão prontos para entregar à Igreja, a qualquer momento que à Igreja possam vir a ser solicitados.
      Mais informaram que, no final das festividades e depois de apurados os resultados, obtiveram um saldo positivo no montante de 3.200,00€, (três mil e duzentos euros), montante que foi entregue à Comissão de Capela no dia 19 deste mês de Agosto, precisamente ao elemento da Comissão, (José Maria P. Fonseca), na esperança de que, a seu tempo, seja uma ajuda útil para a construção da nova Igreja.
                                              AS CONTAS; RESUMIDAS:
      Da festa de inverno, 8 de Dezembro - Nossa Senhora da Conceição:
                Receitas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .       4.320,00€
                Despesas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .         - 687,00€
                                               Saldo,que reverte para a próxima festa. . . . . .       3.633,00€
      Da festa do verão, 30 de Julho - Nossa Senhora do Livramento
                Receitas várias. . . . . . .  . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .     11.801,41€
                                     Montante acumulado. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .     15.434,41€
                Despesas totais e liquidadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    - 12.234,41€
                                      Saldo positivo (lucro). . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . .        3.200,00€
                                                                                                       ==================
      Como elemento da Comissão de Capela, pelo que vi à distância, declaro-me satisfeito e grato por terem cumprido as suas obrigações e compromissos assumidos, mas tenho um (mas) e, sobre esse (mas) não vou deixar expressar aqui o meu reparo, um facto que eu pensava já ultrapassado, e que é o seguinte:
      posteriormente a me terem sido entregue as contas e me ter sido solicitado divulga-las, em conversa amistosa com o elemento da Comissão de Festas, o que teve a seu cargo negociar contratos e fornecimentos, esse elemento declarou-se-me pesaroso com o Presidente da Direcção da nossa Banda de Música, acusando-o de lhe ter pedido muito dinheiro para fazer o serviço, e que depois de um trabalho negocial moroso, ainda lhe levou-lhe pelo serviço 1.300,00€. triste de quem trabalha, dou valor e tenho muito respeito pelo senhor Presidente da Direcção da Banda, e na qualidade de elemento da Comissão da Capela peço-lhe desculpa, já desempenhei na Banda variadas funções, entre elas o ajuste dos serviços, há sempre alguém que pensa que, lá porque o lugar tem um bem, que esse bem há-de estar sempre disponível, pronto e disposto a ser tapete. A Banda, nos seus actos e comportamentos, esteve, está e estará sempre pronta para colaborar em todas as campanhas e eventos promovidos pelas entidades locais, quer religiosas, quer civis, mas actividades e eventos que sejam úteis e prestáveis para a comunidade. Em festas, com todo o respeito, a situação é diferente, as comissões, se não pagam à nossa, vão pagar a outras, e queima-se o dinheiro do povo das mais variadas maneiras, porque não se há-de pagar à nossa Banda o que é justo?
      O que fez a Banda? No sábado, dia 29, um grupo de músicos acompanhou por todas as ruas do lugar os elementos da Comissão de Festas, casa a casa, na recolha de donativos, tocando modinhas de saudação e agradecimento; no domingo, dia 30, logo pela manhã, elementos da Banda, os que integram o Grupo Coral Litúrgico abrilhantaram a missa em honra de Nossa Senhora, no mesmo dia, pelas 17 horas integraram-se na Procissão com todos os seus elementos, mais de 70 músicos, um sucesso; na segunda-feira, dia 31, à tardinha, a Banda, com cerca de metade dos seus elementos, integraram-se na entrega do ramo, tocando temas adequados ao acto, acompanharam a Comissão que transportou o ramo e o foi entregar em casa do novo candidato a Juíz, que depois de o receber em sua casa, ele e seus companheiros, candidatos a integrar a futura Comissão de Festas, o transportaram para a Igreja e o depositaram junto ao altar de Nossa Senhora.
      Em tudo isto a Banda participou com elegância e recebeu por compensação a quase insignificante quantia que já mencionei.
      Comparando; o que fez a fanfarra? aquela fanfarra com que a Comissão presenteou o lugar, e a integrou na Procissão? à qual fanfarra, só para a Procissão pagou 1.000,00€! Quem gostou? eu não quis ver, fugi, não vi a Procissão e não estou arrependido.
      Mais não digo, tenho vergonha. Se eu, neste momento fosse quem fui, o que é que eu, como tesoureiro iria ter para repartir por tantos elementos eu equiparação com tempo despendido e serviço prestado? e que valor poderia reverter para ajudar nos custos administrativos e desgaste dos instrumentos da Banda. Isto que digo já não pode ser corrigido, mas é para reflectir e se possível, para que as futuras comissões utilizem com respeito os bens que possuímos.
      Perdoem-me.
                                                                     Jmpfonseca



sábado, 15 de julho de 2017

nº. 1, do entre 80 e 90 - recordo o meu LXXX aniversário

      Meus amigos, atingido o objectivo ao ter concluído a etapa 365, no dia 26 de Junho passado, na caminhada para os 80, o atleta, agora tranquilo, saboreia gostosamente as mensagens e comentários de tantos amigos que o acompanharam e, sentindo-se como que esteja de férias, após isso, não foi mais ao facebook, tem estado e vais estar mais atento e pronto para ajudar no que lhe for possível, em especial, nas tarefas e afazeres que as parcelas de culturas agrícolas carecem assiduamente.

      Após passado o dia do aniversário, eis que chegou o dia 2 de Julho, dia de grande festa para o aniversariante, rodeado de familiares e amigos, na casa Pinto, no Carregueiro, a escassos metros do local fatídico e de tristes recordações, foi ali saciado com um excelente almoço, após o qual, no momento de lhe cantar os parabéns, com apenas 2 velas no bolo, as que sobraram das 80, porque já 78, uma após outra, a arder desde o dia 26, o fogo as foi consumindo, mas estas 2, a nº. 8 e a nº. 0, ordenadas e colocadas no bolo, num excelente bolo de aniversário, bolo que o aniversariante recebeu de prenda, prenda de seus primos, dos descendentes de Manuel Soares Cardoso, fabrico especial da Márcia e de seu marido, os pais da muito especial  Edna, que eles próprios confeiçoaram para o acto e para a todos deliciar.

      Estiveram presentes 30 pessoas, um grande elenco, o aniversariante não as identifica, porque sendo todas elas muito especiais, foram escolha da selecionadora , (da filha) Cármen Fonseca, que por certo até terá sentido dificuldades, pois, de entre tantos e tão bons amigos. selecionar apenas 30 não é tarefa fácil. O aniversariante declara-se que, como marido, como pai, como sogro, como avô e até como visa-avô, deixou-se embalar e até surpreender, contava ter em sua casa um almoço com a presença de todos os seus enlaçados, sabia que iria ter consigo o seu irmão Anibal, o que já eram razões para se sentir muito feliz, mas, a selecionadora e seus adjuntos, (mãe, irmãs, cunhados, sobrinhos e outros apoiantes) quiseram presentear o atleta com uma especial comemoração, a comemoração da vitória «a caminho dos 80 e as 365 etapas em que o atleta participou, participou e venceu sem demonstrar grande fadiga».

      Amigos, o atleta pôs fim àquele percurso, não tem novos compromissos e de hoje em diante apresentar-se tal como é , Zé Maria.

      Então eu, Zé Maria, mais do que nunca, preciso que não me abandonem, preciso do vosso apoio, da vossa mão, do vosso amparo e da vossa espera. Eu não desisto, vou ser lento e até me irei encostar às bermas, só nos intervalos me irei movimentando, o prazo e o espaço é longo, é e vai ser entre os 80 e os 90! esperem-me, que ninguém queira ultrapassar-me, temos muito tempo.

        Com um abraço, até breve.

domingo, 25 de junho de 2017

Etapa 365 Desejo para tu, tal como para mim, um muito bom dia, este dia, o último no caminho dos meus 80

      Nesta etapa, que até não será muito extensa, porque ainda hoje irei até Nespereira, para lá, amanhã, iniciando mais um para a minha conta, me ocupar da execução de tarefas necessárias. Contente, porque tudo correu melhor do que, há um ano eu previa, tenho razões para me associar ao reverendo Paulo Cruz, servir-me de algumas palavras suas, e como ele dizer: CONVOCADOS PARA A FESTA! "Vivemos tempos de festa!depois de Santo António e do S. João, eis no próximo domingo o S.Pedro, Apóstolo! Cada lugar parte em peregrinação com seu patrono (Imaculada Conceição de Q. do Picado; Nª, Sª. da Apresentação, de Bonsucesso; Nª Sª da Lomba, de Verdemilho e o Mártir S. Sebastião, de Aradas), para o Largo da Igreja Matriz. Queremos manifestar a unidade paroquial numa jornada de acção de graças, de compromisso, de convívio, de festa! Queremos fazer a experiência do encontro com Cristo, no encontro de irmãos (entre lugares, famílias, grupos pastorais, cada `pedra viva do templo do Senhor´, à volta do Altar, onde Cristo nos fortalece."... disse ainda mais: "Estamos todos convocados para a FESTA!".

      Neste meu adeus aos 80 e porque há memórias que nem o vento as leva, um dia, em Nespereira, desloquei-me a São Pedro, uma capelinha situada no cimo de um monte, na serra de Montemuro, a confinar com três freguesias, Alvarenga; Nespereira e Tendais, recordei meu pai que tantas vezes ali foi a convite de grupos, para com sua concertina, que muito bem tocava, animar os romeiros que ali se deslocavam. Nesse dia, encontrei lá um grupo musical, (Os Finfas de Paradela - Nespereira) e tocaram um número que muitas vezes meu pai também tocou, cuja melodia eu conheci, identifiquei, mas nunca soube a letra, era dedicada a São Pedro. Em minha casa idealizei uns versos, escrevi-os para não mais os esquecer, encaixam-se bem na melodia e poderei canta-los a qualquer momento, Hei-los:
                                                          SÃO PEDRO
                                                  (canta Quinta do Picado)
                                                                     I
                                                   Viemos já do São João.
                                                   dia vinte e nove, / vamos ao São Pedro;
                                                   faremos uma arruada,
                                                   pela madrugada, / vamos ao São Pedro.
                                                                   coro
                                                   São Pedro, São Pedro,               !
                                                   abre-nos as portas do Céu:        ! BIS
                                                   São Pedro, São Pedro,               !
                                                   e o nosso coração que é teu       !
                                                                   II
                                                   Senhoras e muitos senhores,
                                                   e bons tocadores, / vamos ao São Pedro;
                                                   cantando à desgarrada,
                                                   ó rapaziada, / vamos ao São Pedro.
                                                                   III
                                                   Levamos o nosso farnel,
                                                   anda cá Manel, / vamos ao São Pedro;
                                                   vai o Zé, mais a Maria,
                                                   para a romaria, / vamos ao São Pedro.
                                                                  IV
                                                   É gente de muitos lugares,
                                                   são muitos milhares, / que vão p`ró São Pedro;
                                                   a festa é de quem a faz,
                                                   alegria e paz, / é só no São Pedro
                                                                    V
                                                   No largo da sua Igreja,
                                                   o povo festeja, / o nosso São Pedro;
                                                   alegrou-se o nosso santo,
                                                   dedicai o canto, / ao nosso São Pedro.
                                                                    VI
                                                   Andanos de noite e de dia,
                                                   com grande alegria,/ vimos do São Pedro;
                                                   é o santo que adoramos,
                                                   p`ró ano voltamos, / ao nosso São Pedro
                                                                     _____ . _____
       Que linda marcha,... São Pedro gostava... e com que elegância o povo a dançava!
                                       
       Até não sei, mas será breve. porque , vim de tu, sou de tu e hei-de ir para tu, só tu nos vales, só tu nos acodes só tu nos suportas, só tu nos perdoas, só tu nos salvas, só farei o que tu consentires. até?
                                                   


sábado, 24 de junho de 2017

Etapa 363 - 364 - Da Irmandade da Quinta do Picado tenho saúdade

      Hoje, sábado, depois de cumprir determinada missão, missão que que para ter êxito tinha que bater às portas das pessoas, quando abriam a porta e deparam comigo, o que diziam frequentemente era:  "ai é você! quanto é?"  ao que eu respondia:  hoje não venho para colectar nem venho receber, venho para conversar e pedir-lhe umas informações... "então está bem, diga lá". E claro, disse-lhes o porquê, e para quê, reconheço que fui entendido, fui prontamente informado, e, missão cumprida, estou pronto para entregar os resultados destes contactos a quem me os solicitou..

      Muitos destes desempenhos, em tempos idos, pelo menos no tempo em que a paróquia de Aradas esteve sob a administração do rev. padre Daniel Correia Rama, uma Irmandade, Irmandade de Nossa Senhora do Livramento e Imaculada Conceição, fundada no ano 1908, que se regia por regulamentos que os seus fundadores, em Assembleia-Geral, no dia 11 de Outubro desse ano (1908)  submeteram para apreciação, todos os presentes na reunião tornaram-se irmãos, e todos foram a favor da sua aprovação. Aprovada, a Irmandade iniciou de imediato a sua actividade e exerceu funções até ao dia em que, o reverendo padre Júlio entendeu torna-la inactiva. Este desaire também aconteceu com os outros lugares, foi pena, pois, em especial na Quinta do Picado, os servidores dedicados e sempre prontos, eram irmãos, e eram os corpos directivos que visionavam e administravam toda actividade dos movimentos de fé, desde o baptismo das crianças que nasciam aos enterros de todos que morriam e era-lhes também confiada a obrigatoriedade de programar e de organizar as festas em honra dos nossos santos, numa escala de servir periodicamente, como juiz numa escala mais alargada e como simples mordomo contribuinte, numa escala de 4 em 4 anos.

     De harmonia com o Código do Direito Canónico e Regulamento Geral das Associações Religiosas dos Fiéis, em 13 de Outubro do ano 1943, foi dotada de Estatutos aprovados pela Diocese de Aveiro. Enquanto activa foi uma mais-valia para a paróquia e em especial para o lugar da Quinta do Picado. Não será descabido dizer e dar testemunho que, as receitas provenientes do cumprimento de promessas, de jóias, de quotas, de coimas e de outras imposições que constituíam receitas da Irmandade, para além de servirem para obras de conservação e de sortir o templo de tudo que fosse necessário, servia também para prestar auxilio aos mais necessitados, acudir nas calamidades, nos infortúnios e em suma. A Irmandade munida desses fundos prestava um serviço social tão útil quanto necessário, muitas vezes por aí, a estranhos, fora no nosso lugar e até, fora  da nossa freguesia.

      O testemundo, que tenho, que posso e que devo dar, é o seguinte:
    Quando envolvido numa Comissão de Festas e que reunidos para apuramento e prestação de contas, no dia 16 de Dezembro do ano de 1962, fui vítima da explosão dos foguetes, a primeira ajuda financeira que chegou à minha esposa, às viúvas daqueles que pela mesma causa morreram, e aos muitos feridos de menor gravidade, foi proveniente dos fundos da Irmandade de Nossa Senhora do Livramento e Imaculada Conceição. Para prestarem ajuda, e além disso, a Irmandade também fez diligências e pôs em prática um peditório a favor e em benefício das vítimas.

    Sobre a Irmandade tenho muitas outras recordações que gostaria de partilhar, mas até de tempo disponível eu tenho carências, e, por considerar que se o rev. padre Paulo, assim o entendesse, ele poderia reactivar a Irmandade, eu próprio servi-me de um modelo de Estatutos tipo, adaptei-o ao nosso lugar e à nossa Paróquia, entregue-lhe um exemplar, é só ele querer, eu, sobre o assunto, também consultei o Monsenhor e ele confirmou: tem que ser o pároco a apresentar. As Irmandades existir noutras paróquias! porque não na nossa?  - Por hoje termino. Até amanhã. 

    O santo de hoje é: "São João Baptista. Santa Maria de Guadalupe Garcia Zavala, virgem, confundadora da Congregação das Servas de Santa Margarida Maria e dos Pobres, em Guadalajara, México."

      Oração: São João Baptista, voz que clama no dfeserto: "Endireitai os caminhos do Senhor... fazei penitência, porque no meio de vós está quem vós não conheceis e do qual eu não sou digno de desatar os cordões das sandálias", ajudai-me a fazer penitência das minhas faltas para que eu me torne digno do perdão daquele que vós anunciastes com estas palavras: "Eis o Cordeiro de Deus, eis aquele que tira o pecado do mundo". São João.pregador da penitência, rogai por nós. São João, precusor do Messias, rorai por nós. São João, alegria do povo, rogai por nós.
  
       
     

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Etapa 362 - Herois Bombeiros dominaram o diabo, que bom; com tanta alegria, até cantamos;Quinta do Picado, não sejas brejeira

      As notícias de hoje são tranquilizadoras, segundo comentários, o fogo que mata, que escalda e destrói, está dominado! dominados não estão os incendiários, e incendiários não são só aqueles que atiçam, são também aqueles que utilizam todos os meios, que mesmo encharcados na lama, não venham a ser queimados pela opinião publica. temos como exemplo o senhor Presidente,  vejam como ele, com sua capa, protege os artistas. Digo com sua capa, porque numa emergência, é o que qualquer motorista, em caso de detectar um inicio de incêndio no seu veículo, não tendo mais do que se socorrer, deve despir o seu casaco ou qualquer outra peça de vestuário, e com elas abafa o incêndio. Desculpai-me, não é de coisas tristes que lhes queria falar, não era também para lhes dizer que os males para uns é o bem para outros, desses outros, quem é que, até com os mortos ganha?, são poucos, mas são alguns.
      Parece que, também hoje, vai decorrer em Lisboa, parece que em duas etapas, uma prova, em que participam atletas nacionais e estrangeiros, envolve figurantes da alta finança, mas segundo entendi, alguns ainda não responderam à convocação, entre eles, o sr. Sócrates, o sr. Vara, o sr. Núncio e o sr. Juiz Carlos! será que todos, independentemente da classificação que obtenham, vão ser premiados? 
Quem responde?  alguém sabe? claro que sim! o nosso sr. Presidente sabe tudo.
      Em consciência e meditação, digo a mim próprio;  cala-te Zé, a tua etapa é outra, o tempo ainda é de festa, andastes na do Santo António, já andas na de São João, não peques, não te canses, porque a seguir é São Pedro e se não fores por teu pé, também ninguém te leva, por isso, tem calma, recorda o teu passado e confia a alguém o sonho que alimentas e projectaste para futuro. Na nossa paróquia, as festas  prolongam-se, a do nosso padroeiro São Pedro entra pelo Julho a dentro, no domingo, dia 2 acontecem os actos mais significantes, envolvendo a Igreja, os movimentos associativos e todo o povo. 

      Sim, em consciência, reconheço e recordo o ultimo ano das nossas marchas populares, 1994, tenho e guardo as musicas, mas como é uma leitura que muita gente desprezou e não quis aprender, só vos mostro os versos dessa Marcha, a nº. 2 de 1994 , Ei-la:

                                                    NÃO SEJAS BREJEIRA
                                                                     I
                                                   Venham ver as raparigas
                                                   no nosso grupo a dançar,
                                                   são as mais belas da aldeia
                                                   fervescentes a saltar;
                                                   são jóias, meu bem, são jóias
                                                   pérolas de enfeitiçar,
                                                   cultas, esbeltas, formosas,
                                                   de todas as mais briosas,
                                                   alegres e sempre a cantar.
                                                                     côro
                                                   Quinta do Picado, / não sejas brejeira
                                                   tu és pioneira / encanto sem fim;
                                                   Quinta do Picado, / és uma riqueza
                                                   tens toda a beleza, / dum lindo jasmim;
                                                   que fértil canteiro, / sustento de abelhas
                                                   tu és um jardim / de rosas vermelhas;
                                                   tu és a mais bela, / a mais atraente
                                                   feliz de quem sente, o afecto que tens,
                                                   pela tua gente! 
                                                                            II
                                                   Olhai, rapazes, olhai,
                                                   escutai as raparigas,
                                                   dai largas ao coração
                                                   embalai-vos nas cantigas;
                                                   segredos da vossa vida
                                                   a água leva e não diz,
                                                   na hora da despedida,
                                                   quem não se sente culpado,
                                                   partirá bem mais feliz.                       
                                                                                                   então; que julgais?.
      Os santos de hoje são: "São Paulino de Nola, Bispo, morreu em 431, São João Fisher, Bispo, e São Tomás Moro, mártires, morreram em 1535, Santo Eusébio de Samósata, Bispo e mártir, morreu em 379. Morto ao ser golpeado na cabeça com uma telha lançada por uma mulher ariana, enquanto visitava os fiéis de Duluk, Turquia".

      Oração, não conheço e também não pesquisei.


                                              

     



     

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Etapa 361 - Briosa a Quinta do Picado - marcha de 1994

      A etapa de hoje vai ser pequenina e porque a minha habitual calmaria se ausentou de mim e me invadiu por uma suposta tempestade de convulsões, cujas causas me são estranhas, parece mesmo que algum curto-circuito me queimou os fusíveis, a luz eclipsou, a corrente é baixa e não dá, nem para pensar direito. Será que a falta de um consenso generalizado na reunião de ontem sobre o construir ou não construir a Igreja nova me está a afectar? se é isso, só pode haver uma razão, e essa, só pode ser os 80, a grande meta que está próxima e a escassos dias de ser alcançada.

     Também, pelo motivo de termos ainda Portugal a arder, estamos a viver momentos ainda dramáticos e tristes, e eu, ue não sou indiferente, sinto enjoo-os, não só pelo comportamento de determinados figurantes, mas também por muitas das desculpas esfarrapadas que dão para justificar o que não tem justificação, há muitos que bem melhor seria estarem calados e não tomarem partido por a) ou b), pecados todos temos e os condenados são aqueles que sofrem sem terem culpa alguma.
 
       Particularmente e para interesse meu, hoje fui convocado para sexta-feira, dia 23, comparecer em Coimbra, na Ortomilénio a fim de fazer moldes para uma proteze nova, lá estarei às 14,30 horas, que a sorte me proteja.
     
      E agora, para não faltar ao que há dias atrás me propus, porque, recordando as marchas populares em que, com muita satisfação me fui deixando envolver, respondendo sempre afirmativamente às solicitações, aqui reproduzo os versos da marcha nº. 1, do ano de 1994. Ei-los: 

LINDA QUINTA DO PICADO
                                                                               I 
                                                           Briosa, a Quinta do Picado
                                                           que mais serás em segredo,
                                                           és rainha da simpatia
                                                           cá nas festas de São Pedro;
                                                           Aqui vais toda bairrista
                                                           com teus arcos e balões,
                                                           rapazes e raparigas
                                                           lindos pares de fuliões.
                                                                            coro
                                                           Olha a linda Quinta do Picado
                                                           olha a sua linda juventude,
                                                           como canta, como dança
                                                           como mostra sua virtude;
                                                           saudemos a freguesia
                                                           e seu povo hospitaleiro,
                                                           Verdemilho e Bonsucesso
                                                            Aradas e, também Aveiro.
                                                                              I
                                                           Senhora da Conceição
                                                           Mãe dos homens, Mãe de Deus,
                                                           és na Quinta do Picado 
                                                           a doca Mãe dos filhos teus;
                                                           neste rincão português
                                                           teu lugar é o primeiro,
                                                           este é o jardim mais lindo
                                                           junto à cidade de Aveiro.

       O santo de hoje é: "São Luís Gonzaga, religioso, morreu em 1591, São Raimundo de Barbastro, Bispo, morreu em 1126. Francês, de nascimento, foi cônego regular da Catedral de Toulouse (França) e depois Bispo de Roda-Barbastro (Espanha)".

      Oração . - não conheço.
                                        
                            
 
       

terça-feira, 20 de junho de 2017

Etapa 360 - Reunião alargada na Capela - povo e o pároco padre Paulo Cruz dialogam sobre projeto da nova Igreja

      Hoje estou melhor preparado e com melhor disposição para dar início à etapa, estou também muito confiante de que, no final da etapa terei capacidade, forças e boa disposição para agradecer a Deus e a cada um, por juntos e em união com o reverendo Paulo Cardoso da Cruz, participarmos nesta etapa, demonstrando com isso que somos amigos da Quinta do Picado, amigos desta terra que nos acolhe e que, por ela, estamos dispostos a responder e a opinar sobre as questões que o nosso reverendo nos venha a pôr.

      Este dia é muito importante para o lugar e é igualmente importante para todos aqueles que, ao longo de já algumas dezenas de anos vêm trabalhando para no lugar se construir uma Igreja nova. Com o arrastar dos trabalhos e em busca das melhores soluções, o tempo vai-se passando, os estudos e trabalhos preparativos vão-se tornando desajustados e perdem validade, e, quando as decisões tem que ser tomadas por gente que chega de novo, outra coisa não é de esperar, "nova cabeça, nova sentença", é normal.  A etapa (reunião) vai ter inicio pelas 20 horas e 30 minutos, e vai ser curta, o reverendo, que a vai fiscalizar e fazer cumprir, tem pouco tempo disponível, mas se aproveitarmos os esforços e se tiver validade o que antecipadamente prevejo, só me restará para o final da etapa referenciar os resultados e lamentar não ter merecido quaisquer aplauso.

      São 23 horas e 10 minutos, os presentes na reunião fomos em número de 18 pessoas, o reverendo padre Paulo mostrou o projecto, as pessoas apreciaram e ao tomarem conhecimento da estimativa de custos, assustaram-se, tendo a maioria sugerido ao reverendo para pedir ao arquitecto o favor de rever o projecto no sentido de lhe reduzir os custos e no seguimento nos voltarmos a reunir. Pelo que fui escutando aos grupos que no final se foram formando, é que todos se assustaram com a previsão de cerca de 800 mil a 1 milhão de euros e que a ser assim, opinam que o melhor seria restaurar e adaptar a velha, dotando-a das comodidades necessárias  para o exercício dos fins, ficando assim adiada a decisão para uma próxima reunião.

      Apesar de o resultado não ser o que esperava, como disse na introdução, hoje sinto-me com melhor disposição, tão melhor que até recordo as marchas populares que o lugar, em tempos, levou e se fez representar na festa do nosso padroeiro São Pedro, Eis os versos da marcha nº, 2, marcha do ano 1993;
                                              QUINTA DO PICADO VEM TODA PARA A RUA
                                                                            I
                                                          À luz de cada balão
                                                          a transbordar de cantigas,
                                                          encontrou uma canção
                                                          nos olhos das raparigas;
                                                          Mas na luz nela contida,
                                                          alegre, viva, fermente,
                                                          palpita um pouco de vida
                                                          da vida da nossa gente.
                                                                          Coro 
                                                         Quinta do Picado, / vem toda para a rua,
                                                         toda a tua gente, / baila à luz da lua,
                                                         vem daí óh pá, / que tu és a nossa esperança,
                                                         vem rir e folgar, / queres entrar na dança?
                                                         aqui tens um par, / és uma criança!
                                                         vem-me abraçar.
                                                                            II
                                                         Cada balão uma esperança
                                                         que nas marchas se descerra,
                                                         um coração de criança
                                                         para amar a nossa terra;
                                                         a cantar, sempre a cantar
                                                         assim passa alegre a vida,
                                                         na nossa aldeia sem par
                                                         de todas a mais querida.
                                                                           III
                                                        Os bairros deste lugar
                                                        aqui estão junto a vós,
                                                        são qual manta de retalhos
                                                        da vida de todos nós;
                                                        o nosso lugar unido
                                                        numa só voz fraternal,
                                                        trazem à rua este grito
                                                        que lindo é Portugal!

      Santo do dia é: "Beata Margarida Ball, mártir.morreu em 1584. Viúva septuagenária acusada por seu próprio filho de acolher em sua casa a sacerdotes católicos. Morreu na prisão em Dublin, Irlanda".
       Oração: - Não conheço.